Governo do Ceará cogita pedir apoio federal após onda de violência em Fortaleza

Estado sofre com onda de ataques violentos. Casos ocorreram na noite de sexta-feira (21/6) nos bairros de Barroso, Mondubim e no município de Viçosa do Ceará e deixaram 13 mortos. Ações estão sendo investigadas pela polícia civil do Ceará

0
133

Após uma série de ataques violentos que deixaram quatro mortos e oito feridos na noite de sexta-feira (21/6), o Governo do Ceará está considerando solicitar apoio do Governo Federal para reforçar a segurança no estado. Os incidentes ocorreram nos bairros Barroso e Mondubim, em Fortaleza, e no município de Viçosa do Ceará.

No bairro Barroso, criminosos que estavam em dois veículos abriram fogo contra um grupo de pessoas que estavam em um campo de futebol. Nove crianças e adolescentes, com idades de 8 a 16 anos, foram baleados. No ataque, uma criança de 10 anos e uma mulher, de 48 anos, morreram no local. Os oito feridos foram encaminhados ao Hospital Instituto Dr. José Frota (IJF).

Outro incidente ocorreu no bairro Mondubim, onde criminosos em três motocicletas dispararam contra uma pizzaria, resultando na morte de um entregador e um cliente. Segundo informações da polícia, criminosos tinham como objetivo assassinar um funcionário do local, que foi morto com  diversos tiros, vários deles na cabeça. Um outro homem atingido por engano morava em um condomínio em frente ao local do crime e lanchava quando ocorreu o ataque.

Na cidade de Viçosa do Ceará, um ataque a tiros na madrugada de quinta-feira (20/6) deixou sete mortos no local. A polícia prendeu um dos suspeitos, um homem de 51 anos com histórico de crimes relacionados ao tráfico de drogas. Segundo a Secretaria de Segurança Pública (SSP), a chacina foi motivada por um conflito entre facções criminosas disputando território de venda de drogas.

O governador Elmano de Freitas informou que esses casos foram comunicados ao ministro Lewandowski, e que, se necessário, poderá solicitar reforço federal. “Se necessário, não hesitarei em solicitar reforço de apoio federal nessa missão. Inclusive, liguei há pouco para o ministro da Justiça, Ricardo Lewandowski, relatando a situação,” declarou Freitas. Ele atribuiu o aumento da violência a uma reação das facções criminosas às medidas mais rigorosas que têm sido implementadas no combate ao crime organizado.

A Secretaria da Segurança disse que agentes realizam buscas na área para tentar encontrar os responsáveis pelos crimes. Três pessoas foram detidas em flagrante por envolvimento com o tráfico de drogas na região. Elas foram ouvidas como parte do trabalho investigativo da chacina, no entanto, segundo as autoridades, não foi possível confirmar o envolvimento dos três detidos com as mortes. 

Por Débora Oliveira do Correio Braziliense

Foto:  Valter Campanato/Agência Brasil / Reprodução Correio Braziliense