Dois lotes de chocolates da Garoto sob suspeita de contaminação com vidro são suspensos pela Anvisa

A Anvisa afirmou que há possibilidade de contaminação somente nos dois lotes. Não há restrição de uso dos demais produtos da Garoto

0
86

A Anvisa (Agência de Vigilância Sanitária) proibiu nesta terça-feira (18) a comercialização, distribuição e uso de dois lotes de chocolates da marca Garoto que podem conter fragmentos de vidro.

Os produtos são as barras de 80 g de chocolate ao leite com castanhas de caju e chocolate ao leite com castanhas de caju e uvas passas, ambas com validade para 9 de setembro de 2023. Os lotes são 225212941G e 225312941G, respectivamente.

Em nota, a Garoto disse que suspendeu a venda do produto. “A suspeita da presença de pequenos fragmentos de vidro provém da quebra de um sensor na linha de fabricação, que pode ter tido algum contato com os referidos lotes”, explicou a empresa.

A Anvisa afirmou que há possibilidade de contaminação somente nos dois lotes. Não há restrição de uso dos demais produtos da Garoto.

“A empresa suspendeu imediatamente a distribuição e comercialização desses dois lotes de produtos e esclarece que a ação de recolhimento é restrita aos Estados de Santa Catarina e Espírito Santo, onde os lotes foram distribuídos. Grande parte das unidades envolvidas já foi recolhida pela empresa, que está colaborando com as autoridades para que as demais unidades sejam recolhidas”, afirmou a Garoto, em nota.

O que fazer se tiver comprado os produtos

Caso tenha adquirido alguma das duas barras de chocolate, o consumidor deve verificar o lote do produto no verso do rótulo, próximo ao lacre. Se os códigos de lote forem 225212941G ou 225312941G, o alimento não deve ser consumido.

A Anvisa sugere que o comprador guarde a embalagem e entre em contato com o SAC da Garoto pelo telefone 0800 055 95 50. O número funciona de segunda a sexta, das 8h00 às 18h00, exceto feriados. A empresa também oferece comunicação pelo email sacgaroto@garoto.com.br para troca ou reembolso.

Por FolhaPress via Jornal Brasília com informações de PH Paiva

Foto: Reprodução Jornal Brasília