Mais 13.850 doses de vacinas contra covid-19 chegam ao DF

Estoques são reabastecidos com doses da Astrazeneca e da Pfizer adulto, infantil e baby; lotes de coronavac estão previstas ainda para este mês

0
77

A Secretaria de Saúde recebeu nesta quarta (16) e quinta (17) mais 13.850 doses de vacinas contra a covid-19. Foram 5.850 doses de Pfizer para pessoas acima de 12 anos, 3.000 doses de AstraZeneca para maiores de 18 anos e 5.000 da Pfizer pediátrica, para uso em crianças de 5 a 11 anos.

“A nossa logística é bem ágil. Em 24 horas, a gente consegue fazer com que a vacina já esteja nas salas”, explica gerente de Rede de Frio, Tereza Luiza. Noventa unidades básicas de saúde aplicam a primeira e a segunda doses, a e os reforços. Confira a lista completa no link.

Vacinação infantil

As 5.000 doses de Pfizer infantil recebidas ampliam a oferta para as crianças de 5 a 11 anos e garantem a segunda dose, que deve ser tomada 21 dias após a primeira. Na segunda-feira (14), foi iniciada a imunização dos bebês de seis meses a 2 anos e 11 meses com comorbidades. Essa vacinação foi possível com o recebimento, na sexta-feira (11), de 14.400 doses da Pfizer Baby, aprovada para essa faixa etária.

O Ministério da Saúde também confirmou para a próxima semana o envio de 14.510 doses de CoronaVac, utilizadas para a faixa etária de 3 e 4 anos. Isso permitirá a retomada da vacinação do grupo, que havia sido interrompida nessa quarta-feira (16). Neste caso, o esquema vacinal também é de duas doses, com intervalo de 28 dias.

“O risco maior é que essas pessoas (com ciclo vacinal incompleto) estão suscetíveis porque o seu sistema imunológico já diminuiu a sua carga de proteção. Essas pessoas estão com risco maior de terem uma reinfecção e terem um quadro mais complicado”Fabiano dos Anjos, diretor de Vigilância Epidemiológica da Secretaria de Saúde

Ao todo, serão 42.760 doses recebidas em novembro: 14.510 CoronaVac, 14.400 Pfizer Baby, 5.850 Pfizer, 5.000 Pfizer pediátrica e 3.000 AstraZeneca. Todos os imunizantes são enviados pelo Ministério da Saúde. A Rede de Frio Central da Secretaria de Saúde faz a conferência e separa as doses conforme as necessidades das sete regiões de saúde do Distrito Federal.

Baixa cobertura

Apesar da disponibilidade de imunizantes e a realização do trabalho de vacinação de segunda a sábado, incluindo ações como o Carro da Vacina e parcerias com escolas e com a sociedade civil, a cobertura vacinal contra a covid-19 no Distrito Federal está abaixo do esperado. Cerca de um milhão de moradores do Distrito Federal estão com o ciclo vacinal contra a covid-19 incompleto.

“O risco maior é que essas pessoas estão suscetíveis porque o seu sistema imunológico já diminuiu a sua carga de proteção. Essas pessoas estão com risco maior de terem uma reinfecção e terem um quadro mais complicado”, afirma o diretor de Vigilância Epidemiológica, Fabiano dos Anjos.

Até o dia 7 de novembro, 86,2% da população acima dos 3 anos havia recebido a primeira dose e 82,5% completaram o ciclo de duas doses. Porém, apenas 54,4% das pessoas acima dos 12 anos haviam retornado para o primeiro reforço. A cobertura do segundo reforço estava em 37,5%.

No caso dos bebês de seis meses a 2 anos e 11 meses, nos dois primeiros dias de vacinação (14 e 16), foram menos de 100 crianças imunizadas. Neste caso, a Secretaria de Saúde, seguindo a orientação do Ministério da Saúde, prioriza o público com comorbidades. Os pais ou responsáveis precisam levar cartão de vacinação, documento de identificação (identidade, certidão de nascimento ou outro) e laudo ou relatório médico que comprove a comorbidade da criança. Em cada local de vacinação, há um responsável técnico para tirar dúvidas.

Crianças dessa faixa etária sem comorbidades podem ser vacinadas com doses remanescentes, no horário popularmente conhecido como “xepa”, exclusivamente faltando uma hora para o encerramento do horário de atendimento.

O objetivo é evitar perdas técnicas: cada frasco contém dez doses e se, nessa última hora de aplicação de vacina, houver sobra de doses em um frasco aberto, elas poderão ser aplicadas nas crianças sem comorbidades para evitar o desperdício. Os frascos não são abertos caso não haja crianças com comorbidades na sala de vacina durante a última hora de atendimento.

*Com informações da Secretaria de Saúde

Por Agência Brasília com informações de PH Paiva

Foto: Tony Oliveira / Agência Brasília / Reprodução Agência Brasília