Concurso da PMDF já tem banca organizadora definida

O esperado certame que irá selecionar novos soldados e oficiais para a PMDF será organizado pelo Instituto AOCP. Divulgação do edital é o próximo passo

0
167

A preparação do concurso que irá nomear novos soldados para a Polícia Militar do Distrito Federal (PMDF) teve um grande avanço nesta última quinta-feira (24), com a definição do Instituto AOCP como a banca organizadora que terá a responsabilidade de coordenar o certame, que deve ter início em 2023.

O concurso deve ofertar o total de 2.146 vagas, sendo 2.100 para soldados, com 700 imediatas e 1.400 para cadastro reserva. As outras 46 oportunidades serão para oficiais do quadro de saúde. Há também a expectativa de que o edital possa ofertar 69 vagas para um processo seletivo interno para oficiais administrativos.

Já é de conhecimento dos concurseiros que a remuneração da PMDF é uma das melhores do país, fazendo com que concorrentes de outros estados sonhem com uma nomeação no policiamento do Distrito Federal. Durante o curso de formação de praças, os soldados de 2º classe ganharão R$ 4.443,8, além de um auxílio moradia acrescido de um auxílio-alimentação de R$ 850.

O próximo passo para o concurso é a publicação do edital, que pode acontecer em breve. Segundo o secretário de Planejamento, Orçamento e Administração do Governo do Distrito Federal, Ney Ferraz Júnior, o edital pode ser publicado ainda neste mês de dezembro. Porém, para o professor Érico Palazzo, do Gran Cursos Online, é improvável que o documento norteador saia em 2022, apostando na sua divulgação durante o primeiro semestre de 2023.

Segundo Palazzo, o Instituto AOCP ultimamente teve uma melhora na sua forma de cobrança, além de ser a responsável por coordenar concursos policiais grandes pelo país. “É uma banca bem organizada, traz questões difíceis e de temas variados, e gosta de cobrar temas da lei, temas de doutrina, cobra teorias, termos doutrinários e jurisprudência. Então é uma banca que varia bem o conteúdo e tem trazido questões desafiadoras”, explica.

Por Redação do Jornal de Brasília

Foto: Reprodução Jornal de Brasília