Empreendedorismo e educação ambiental em escolas públicas do DF

Acordo entre Emater-DF e Secretaria de Educação prevê implantação de hortas, uso de água da chuva, energia solar e resíduos orgânicos

0
47

Por meio de um acordo de cooperação técnica, a Emater-DF e a Secretaria de Educação (SEE) darão início ao projeto Há Campo, que prevê a oferta de oficinas de empreendedorismo, além da implantação de hortas escolares, sistemas de captação de água da chuva, energia solar e fossas biodigestoras em escolas da rede pública do Distrito Federal. O objetivo é beneficiar 100 unidades de ensino durante um ano. 

“Ao trabalhar com hortas, podemos levar aos estudantes a possibilidade de integração de vários objetivos de aprendizagem presentes em nosso currículo. Além das questões pedagógicas, podemos apontar questões de saúde, como os benefícios da inclusão de alimentos naturais na dieta”Hélvia Paranaguá, secretária de Educação

“Cada região da cidade tem realidades diferentes, o que vai fazer com que as diretorias das unidades de ensino escolham quais ações podem ser implementadas”, explica a assessora técnica da Emater-DF Adriana Dutra. “Com o Há Campo, pretendemos ampliar a cosmovisão do estudante em relação ao seu meio, potencializando os resultados da educação.”

Várias escolas do DF já possuem hortas e equipamentos de captação de água da chuva e energia solar. As que não têm esses recursos serão beneficiadas pelo projeto, por meio desse sistema e da produção de gás a partir dos resíduos orgânicos com as fossas biodigestoras e da utilização dos alimentos cultivados nas próprias hortas pedagógicas.

Aprendizagem integrada

“Ao trabalhar com hortas, podemos levar aos estudantes a possibilidade de integração de vários objetivos de aprendizagem presentes em nosso currículo”, comemora a secretária de Educação, Hélvia Paranaguá.

Ela enumera as áreas a serem beneficiadas: “O estudo da geometria na confecção de canteiros, ciências da natureza, quando se observa o papel de microrganismos; língua portuguesa, na leitura e produção de textos instrutivos para processos de cultivo e plantio; educação financeira, ao pensar nas relações comerciais; melhorias em aspectos motores, com o manuseio de ferramentas. Além das questões pedagógicas, podemos apontar questões de saúde, como os benefícios da inclusão de alimentos naturais na dieta”.

De acordo com o presidente da Emater-DF, Cleison Duval, o acordo, além de ser representativo pela união de esforços de órgãos públicos, reforça o papel educativo da empresa e leva questões importantes de sustentabilidade para áreas urbanas. “Como extensionistas, já trabalhamos com metodologias de educação não formal”, explica.

A experiência da empresa com metodologias educacionais não formais ajuda no processo, avalia o gestor:  “Percebemos que é possível levar tecnologias já adotadas pelo agricultor às escolas, proporcionando economia ao Estado e conhecimento aos jovens. Vamos trabalhar integrados para que o projeto leve muitos benefícios para a comunidade escolar e reforce questões importantes sobre sustentabilidade e alimentação saudável”.

*Com informações da Emater-DF

Por Agência Brasília

Foto: Divulgação/Emater-DF / Reprodução Agência Brasília