Mais de 100 edificações foram vistoriadas pela Defesa Civil do DF

Defesa Civil também inspeciona passarelas e pontes, devido aos alagamentos causados pelas chuvas. Órgão dá orientações à população sobre como proceder durante e após os temporais

0
26

A Subsecretaria do Sistema de Defesa Civil (Sudec) está monitorando áreas de risco do Distrito Federal, principalmente no período de chuvas, para verificar ameaças e vulnerabilidades geotécnicas, estruturais e ambientais.

O órgão, que é vinculado à Secretaria de Segurança Pública (SSP/DF), afirma que, desde o início do ano, tem trabalhado com equipes de prontidão 24h, realizando vistorias em mais de 100 edificações por todo o DF, além de ter inspecionado passarelas e pontes, em razão das chuvas e alagamentos. As atuações têm ocorrido de forma integrada com outros órgãos do Governo do Distrito Federal (GDF).

Em 3 de janeiro, devido aos temporais que causaram estragos e trouxeram prejuízos aos moradores de várias regiões administrativas, a governadora em exercício do Distrito Federal, Celina Leão, decretou estado de alerta.

Desabrigados

A situação mais grave, até o momento, é a da Vila Cauhy. O GDF montou um abrigo provisório para as famílias que tenham interesse, no Ginásio do Núcleo Bandeirante. A Secretaria de Desenvolvimento Social (Sedes) está oferecendo auxílios calamidade e vulnerabilidade, além de inclusão em demais benefícios, como o Cartão Prato Cheio.

A Secretaria de Saúde informou que está prestando assistência aos moradores, com equipe para atendimento de crianças, adultos e idosos, com o objetivo de prestar serviços médicos e de enfermagem. Os pacientes têm prioridade de atendimento nas UPAs e hospitais. A equipe está em um ponto de apoio formado em articulação com o Corpo de Bombeiros (CBMDF), a Defesa Civil e a Administração Regional do Núcleo Bandeirante.

Manutenção

Engenheiro civil e especialista em Infraestrutura de Transportes, Érick Luiz de Freitas destaca que a principal ação a ser tomada é a manutenção do sistema de drenagem. “É necessário que haja, além do melhoramento do sistema, um acompanhamento do avanço das construções em regiões irregulares, visando que não sejam realizadas obras que prejudiquem o potencial do solo de fazer a captação de água e o direcionamento da vazão”, alerta.

Freitas aponta outro ponto indispensável: a cooperação entre GDF e comunidade para a realização de programas de conscientização do descarte de lixo e entulho. “Com certeza, isso está atrelado à dificuldade do sistema de drenagem operar. Destaco que a drenagem por si só, às vezes, dependendo da magnitude da chuva, ficará saturada, mas, com os bueiros limpos, por exemplo, o impacto é menor para a região atingida”, avalia.

Situação de rua

A Sedes afirmou que acompanha as pessoas em situação de rua no DF, que também sofrem com os temporais, conforme locais previamente mapeadas, por meio do Serviço Especializado em Abordagem Social. São 28 equipes que asseguram a oferta de serviços socioassistenciais, com o apoio dos 12 Centros Especializados de Assistência Social (Creas), e integração com políticas públicas de outras áreas, como Trabalho e Renda, Justiça e Cidadania, Segurança Pública e Saúde.

Fique atento

Durante chuvas intensas:

» Desligue os aparelhos elétricos, o quadro geral de energia e feche o registro de entrada de água e de gás;
» Se houver risco de inundações e/ou enxurradas na região onde você mora, coloque documentos e objetos de valor em sacos plásticos bem fechados e em local protegido e de fácil acesso, em caso de evacuação;
» Se a água invadir sua casa, vá imediatamente para áreas mais altas e peça ajuda pelo telefone 193;
» Se houver infiltração, rachaduras, barulho estranho, ou movimentação de postes/árvores próximos à casa, abandone-a imediatamente;
» Se for pego por uma correnteza, flutue com a barriga para cima e os pés à frente, acene por socorro. Se possível arranje um material para flutuação;
» Se estiver em um veículo com possibilidade de alagamento na via, procure um local alto e espere o nível da água baixar.

Após os temporais:

» Se a chuva alagar sua casa, lave e desinfete o chão, paredes, objetos caseiros e roupas atingidas; Raspe toda a lama e retire o lixo do chão, das paredes, dos móveis e dos utensílios;
» Evite o contato com água e lama. Para isso, use luvas e botas ou sacos plásticos duplos nas mãos e pés;
» Não use água de fontes naturais e poços depois do alagamento, pois pode estar contaminada;
» Volte para casa durante a luz do dia.

Fonte: Subsecretaria do Sistema de Defesa Civil (Sudec/SSP-DF)

Por Arthur de Souza do Correio Braziliense

Foto: Marcelo Ferreira/CB/D.A Press / Reprodução Correio Braziliense