UPS 24 Horas atende pessoas vulneráveis em situação de calamidade pública

A Unidade de Proteção Social também atua em casos de remoção de famílias em área irregular, além de servir de acolhimento para a população nos horários que os Cras e Creas estão fechados

0
20

A Unidade de Proteção Social (UPS) 24 Horas tem um papel crucial na assistência à população mais vulnerável do Distrito Federal. Vinculado à Secretaria de Desenvolvimento Social (Sedes), o serviço é voltado para atender pessoas em situações de risco pessoal e social em função de alguma calamidade pública ou emergência e desabrigados devido à remoção de edificações em áreas irregulares no perímetro urbano e rural.

No ano passado, a unidade realizou 393 atendimentos entre levantamentos socioeconômicos, acompanhamento a operações de derrubada e ações de calamidade pública. Em janeiro deste ano foram registrados 35 atendimentos.

“A Unidade de Proteção Social 24 Horas é um pouco diferente das outras unidades da secretaria. O primeiro objetivo é atender as famílias em situação de calamidade, como na época das chuvas, do frio e do calor”, explica a especialista em Assistência Social Referência para o Serviço de Calamidades da Sedes-DF, Luciana Leão.

“O segundo é fazer o levantamento socioeconômico das famílias que se encontram em áreas ocupadas irregularmente para traçar os perfis e começar a fazer o atendimento fornecendo benefícios”, diz.

“Também acompanhamos as operações de remoções para evitar violações de direitos e garantir o suporte às famílias que queiram receber acolhimento. O último serviço é a oferta de acolhimento e acesso ao auxílio por morte nos horários em que o Cras e o Creas estão fechados”, completa.

A unidade física está localizada na 614/615 Sul. Os atendimentos ocorrem, em sua maioria, in loco. Os serviços são realizados em parceria com a Defesa Civil,  a Secretaria de Proteção à Ordem Urbanística (DF Legal), o Instituto Brasília Ambiental, a Secretaria de Segurança Pública (SSP) e a Companhia de Desenvolvimento Habitacional do Distrito Federal (Codhab).

Por Adriana Izel da Agência Brasília

Foto: Paulo H. Carvalho/Agência Brasília / Reprodução Agência Brasília