Lançado o Plano Distrital de Agroecologia e Produção Orgânica

Projeto busca construir diretrizes para o aumento da produção e da oferta de alimentos saudáveis no DF

0
96

O Plano Distrital de Agroecologia e Produção Orgânica (Pladapo) foi lançado, na Casa do Cerrado, com o objetivo de construir diretrizes para o aumento da produção e da oferta de alimentos saudáveis, por meio de ações indutoras da transição agroecológica e da produção orgânica.

“Este é um marco para a família dos orgânicos e para a agroecologia no Brasil como um todo. Estamos criando essa semente, que com certeza vai ser replantada em todos os outros estados”Fernando Ribeiro, presidente da Federação da Agricultura e Pecuária do DF

Construído a partir da colaboração dos órgãos que constituem a Câmara Setorial da Agroecologia e Produção Orgânica do Distrito Federal (CAO-DF), o plano foi apresentado em cumprimento à Lei distrital n° 5.801, de 2017, que visa integrar, articular e adequar planos, programas e ações de estímulo à produção orgânica e de base agroecológica.

Para o presidente da Federação da Agricultura e Pecuária do DF (Fape-DF), Fernando Ribeiro, a proposta tem potencial para ser referência no setor. “Este é um marco para a família dos orgânicos e para a agroecologia no Brasil como um todo. Estamos criando essa semente, que com certeza vai ser replantada em todos os outros estados”, afirmou.

Na cerimônia, na quinta-feira (08/12), Avelar Alves de Neiva, presidente da CAO-DF, foi destacado como um dos pilares na elaboração do Pladapo. A colaboração entre as 14 instituições constituintes da câmara setorial foi o que tornou o lançamento possível ainda neste ano.

“Este plano passa a compor um outro ainda mais amplo, que é o Plano de Desenvolvimento Rural Sustentável do Distrito Federal (PDRS), já lançado este ano. Nós estamos atendendo a uma necessidade legal, mas também instrumental para o nosso setor. O Pladapo é um estímulo para que tenhamos condições para desenvolver esse processo”, explicou Avelar Alves.

“Esta é a lição mais importante que podemos levar: que este não seja um instrumento de prateleira, mas sim um em que cada uma das instituições possa mergulhar para saber o que e como fazer”Luciano Mendes, secretário-executivo da Seagri

O secretário-executivo da Secretaria da Agricultura (Seagri), Luciano Mendes, também relembrou a importância do PDRS e reforçou a complementaridade dos dois projetos. “Este é um plano de toda a sociedade, e que agora vai orientar nosso planejamento. Tínhamos duas leis que nos obrigavam a fazer planejamentos, e elas culminaram na elaboração do PDRS e do Pladapo” afirmou.

“Estes dois instrumentos somados nos trazem segurança para saber qual rumo trilhar. Esta é a lição mais importante que podemos levar: que este não seja um instrumento de prateleira, mas sim um em que cada uma das instituições possa mergulhar para saber o que e como fazer”, complementou Luciano Mendes.

Para a elaboração da proposta, além de órgãos federais, foram ouvidos parceiros próximos aos produtores e à realidade do campo. “Nós, da Emater, temos a satisfação de participar tanto com as  compras institucionais quanto com a assistência técnica aos produtores. Estamos em todas as partes, sempre em parceria com a Seagri”, reforçou o coordenador de Operações da Emater-DF, Pedro Ivo.

A cerimônia de lançamento foi apenas o primeiro passo para a implementação do projeto. Ele ainda será aprovado pelo governador, e o público também terá a oportunidade de conferir ao vivo as ideias do Pladapo.

“Este foi apenas um primeiro momento com participação das instituições, mas existe ainda a intenção de apresentar o plano à sociedade já no próximo ano”, afirmou o subsecretário de Políticas Sociais Rurais, Abastecimento e Comercialização da Seagri, William Barbosa.

A CAO-DF, responsável por elaborar o Pladapo, é composta pelos seguintes órgãos:

– Secretaria da Agricultura, Abastecimento e Desenvolvimento Rural (Seagri)
– Secretaria do Meio Ambiente (Sema)
– Secretaria de Desenvolvimento Social (Sedes)
– Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural (Emater-DF)
– Centrais de Abastecimento do DF (Ceasa-DF)
– Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa)
– Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do DF (Sebrae-DF)
– Sindicato dos Produtores do Mercado Orgânico do DF (Sindorgânico)
– Federação dos Trabalhadores na Agricultura Familiar do DF e Entorno (Fetraf-DFE)
– Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Brasília (IFB)
– Associação de Agricultura Ecológica (AGE)
– Cooperativa de Trabalho e Desenvolvimento da Agricultura Camponesa (Codestac)
– Conselho de Segurança Alimentar e Nutricional do DF (Consea-DF)
– Universidade de Brasília (UnB)

*Com informações da Secretaria de Agricultura do DF

Por Agência Brasília

Foto: Ascom/Seagri-DF / Reprodução Agência Brasília