Da Venezuela para Brasília, em busca de um futuro digno

Moradora do Paranoá, família de venezuelanos é atendida pelos programas sociais do DF e vê no aprendizado do futebol a alegria dos filhos

0
170

Há apenas cinco meses no Distrito Federal, integrantes de uma família venezuelana falam com alegria que ganharam uma nova vida. Atendida pela rede de assistência social do governo, com os três filhos matriculados no Centro de Atenção Integral à Criança e ao Adolescente (Caic) do Paranoá e alimentando sonhos de dois deles em uma escolinha de futebol, a família Urbaneja se distanciou da triste realidade que vivia no país vizinho.

A nossa atuação junto a refugiados intensificou-se por dois motivos: a escalada da pandemia e as questões sociopolíticas. Como no caso da Venezuela, por exemploAna Paula Marra, secretária de Desenvolvimento Social

Moradores do Paranoá Parque, o casal e os três filhos entre 4 e 9 anos de idade chegaram ao Brasil por Pacaraima (RR), na fronteira com a Venezuela, há cerca de dois anos. Segundo a matriarca, Elizabeth Vallejo, 34, entre os problemas que passavam na cidade de Maturín estava a fome. “Mesmo com as duas ocupações que o meu marido possuía, não conseguíamos dar o sustento aos nossos filhos”, diz. “Lá, não fazíamos as três refeições. Tinha dia que era ou o almoço ou a janta”, conta com ar de tristeza.

Casada com o engenheiro industrial Raul Urbaneja, 33, Elizabeth diz que a violência e a pobreza estão espalhadas por todo o território venezuelano; desta forma, a saída era buscar um novo ‘abrigo’. “Uma situação crítica para todos com a falta de oportunidades, inflação enorme. E daí resolvemos vir para o Brasil. Depois de Boa Vista, onde não deu certo, fomos acolhidos por Brasília”, ressalta.

O almoço da família é no Restaurante Comunitário do Paranoá, no valor de R$ 1 para cada um deles. Além do Bolsa Família do governo federal, Elizabeth conta que estão se cadastrando para o programa local Prato Cheio. Já o Cartão Material Escolar, benefício criado pela Secretaria de Educação, contribui para o aprendizado completo de Angel, 9, Diego, 7, e da caçula Isabelli, 4.

Nas palavras da secretária de Desenvolvimento Social, Ana Paula Marra, a assistência social é ‘para quem dela precisar’. “A nossa atuação junto a refugiados intensificou-se por dois motivos: a escalada da pandemia e as questões sociopolíticas. Como no caso da Venezuela, por exemplo”, diz. “Com base nisso, criamos uma equipe especializada para atender esse público”, ressalta a secretária. O Prato Cheio, lembra Marra, passou a alcançar, no mês de abril, 100 mil famílias beneficiárias.

Adaptação pelo futebol

É no esporte que os meninos venezuelanos se realizam. Angel e Diego são amantes da pelota e treinam futebol no Centro de Formação de Atletas do time Capital. Um projeto social realizado no estádio JK, reformado por meio do projeto Adote uma Praça, do governo, com a diretoria do clube após uma década fechado.

“Aqui, aprendo a chutar, a defender e a fazer gols”, conta o inquieto Diego, 7 anos. Já o irmão mais velho Angel, fã do argentino Lionel Messi, afirma que seu sonho é ser um atleta profissional. Os treinos e a convivência com os colegas ajudam a driblar as dificuldades do idioma.

Com 800 alunos inscritos gratuitamente, na faixa etária de 7 a 19 anos, a escolinha é uma febre entre moradores do Paranoá, Itapoã e redondezas. “Aqui não só garimpamos talentos para o Capital, mas damos oportunidade a todos de praticar um esporte, de desenvolver habilidades e fazer amizades”, explica o diretor das categorias de base do Capital, Manoel Miluie. E, assim, em meio a uma rede de apoio variada, os hermanos de Maturín vão fincando raízes no DF, onde enfim puderam sonhar com um futuro melhor.

Por Agência Brasília

Foto: Joel Rodrigues/Agência Brasília / Reprodução Agência Brasília