Celina Leão sai em defesa de Ibaneis durante reunião de governadores com Lula

Ibaneis foi afastado por 90 dias, enquanto são feitas investigações sobre os atos terroristas efetuados em Brasília na tarde de domingo (08/01)

0
108

Durante a reunião realizada entre o presidente eleito Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e os governadores do país, a governadora em execício do Distrito Federal, Celina Leão (PP) saiu em defesa de Ibaneis Rocha (MDB), afastado pelo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) e do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Alexandre de Moraes.

Ibaneis foi afastado por 90 dias, enquanto são feitas investigações sobre os atos terroristas efetuados em Brasília na tarde deste domingo (08), por ativistas bolsonaristas, que invadiram e depredaram o Congresso Nacional e o STF.

“É um dia de luto na história da democracia. Aqui no Distrito Federal é muito mais grave, porque a responsabilidade cai sobre nossas costas. Gostaria de reafirmar que o governador eleito Ibaneis Rocha, é um democrata, é um homem que exerceu a presidência da ordem [OAB]. Sabe o que significa os ataques aos poderes da república. Preciso trazer a posição do nosso governador”, afirmou Celina.

Segundo a mandatária, a questão foi agravada porque Ibaneis teria recebido informações desencontradas. “Por infelicidade ele recebeu várias informações equivocadas durante todos os momentos da crise. Eu tive a oportunidade de falar com ele e de acompanhar um pouco mais de perto. Não sai do ministério da Justiça até que todos os poderes estivessem controlados”, continuou a governadora.

Ela ainda disse que no inquérito, as informações erradas que Rocha recebeu ficarão claras. “Todas as informações que foram repassadas partiram de forma equivocada e acho que no bojo do inquérito isso vai ficar bem claro e as pessoas vão ser punidas. Nós temos certeza de que não tem a participação do governador Ibaneis, eu quero deixar esse registro”, disparou.

Celina também ressaltou que o Governo do Distrito Federal (GDF), é um governo democrático. “A gravidade do gesto de ontem é tão grande que hoje se faz uma reunião com todos os governadores do Brasil”.

“Já criamos um gabinete de ordem pública e fizemos um convite para que todos os governos participassem e estou enviando as informações de todas as ações que estamos tomando. O GDF não tolerará, na capital federal, atos terroristas como os que aconteceram ontem”, firmou.

Ibaneis afirmou, em nota, que respeita a decisão de Moraes e afirmou ter fé “na Justiça e nas instituições democráticas”.

Por Redação do Jornal de Brasília

Foto: Vítor Mendonça/Jornal de Brasília / Reprodução do Jornal de Brasília