Premiê japonês, com Lula, promete isenção de visto para brasileiros

Ambos voltaram a defender a reforma do Conselho de Segurança da ONU, como os dois países fazem regularmente.

0
112
Japan's Prime Minister Fumio Kishida (L) and his wife Yuko Kishida (R) pose with Brazil's President Luiz Inacio Lula da Silva (2nd L) and his wife Rosangela "Janja" da Silva (2nd R) at the official welcoming for the "Outreach" leaders and their partners on the second day of the G7 Summit Leaders' Meeting in Hiroshima on May 20, 2023. (Photo by Handout / Ministry of Foreign Affairs of Japan / AFP) / --- EDITORS NOTE ----RESTRICTED TO EDITORIAL USE - MANDATORY CREDIT "AFP PHOTO / MINISTRY OF FOREIGN AFFAIRS OF JAPAN" - NO MARKETING NO ADVERTISING CAMPAIGNS - DISTRIBUTED AS A SERVICE TO CLIENTS - --- EDITORS NOTE ----RESTRICTED TO EDITORIAL USE - MANDATORY CREDIT "AFP PHOTO / Ministry of Foreign Affairs of Japan" - NO MARKETING NO ADVERTISING CAMPAIGNS - DISTRIBUTED AS A SERVICE TO CLIENTS /

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva se reuniu por cerca de uma hora com o primeiro-ministro do Japão, Fumio Kishida, anfitrião da cúpula do G7, na manhã deste sábado (20/05), em Hiroshima.

Kishida anunciou que o Japão “iniciaria procedimentos para a introdução de isenção de visto de curta duração para portadores de passaporte comum do Brasil”.

Também confirmou para “breve” um empréstimo de 30 bilhões de ienes (R$ 1,09 bilhão) para saúde e outros setores no Brasil. E “expressou sua esperança no avanço da reforma tributária do Brasil, afirmando que as empresas japonesas também estão prestando muita atenção a isso”.

Kishida saudou a candidatura do Brasil para sediar a COP 30 (30ª Conferência das Partes da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima) e se comprometeu a trabalhar “em estreita colaboração” com Lula na proteção ambiental.

Ambos voltaram a defender a reforma do Conselho de Segurança da ONU, como os dois países fazem regularmente.

Segundo o relato japonês, por fim, “os dois líderes reafirmaram a importância de valores fundamentais como a liberdade e a democracia, e concordaram em trabalhar juntos para a manutenção e fortalecimento de uma ordem internacional baseada no estado de direito”.

O encontro bilateral entre os líderes brasileiro e japonês foi preparado no dia anterior por uma reunião, também de quase uma hora, entre o chanceler Mauro Vieira e o colega Yoshimasa Hayashi.

Este abordou, por exemplo, o investimento de R$ 1,09 bilhão em saúde e outros setores dizendo que o Japão gostaria de “trabalhar junto com o Brasil para sua rápida implementação”.

Os dois ministros também “trocaram pontos de vista sobre a situação na Ucrânia e no Leste Asiático”, ou seja, sobre a guerra e a China, mas os temas não chegaram à discussão dos dois presidentes, ao menos segundo o relato oficial.

G7 E G20

Na manhã de sábado, além de Lula, o primeiro-ministro japonês se encontrou com o colega da Índia, Narendra Modi, e com o presidente da Indonésa, Joko Widodo. Os três são, respectivamente, o próximo presidente anual do G20, que reúne países ricos e emergentes, o atual e o anterior.

Em seguida, Kishida dirigiu uma sessão de trabalho no G7, restrita aos membros, com o tema “Fortalecendo o Engajamento com os Parceiros (Sul Global, G20)”. Afirmou que, “à medida que os emergentes do chamado Sul Global aumentam sua presença, é importante reforçar o envolvimento com os parceiros internacionais para além do G7”.

Defendeu “adotar uma abordagem pormenorizada que responda às várias necessidades enfrentadas por esses países” e disse que “gostaria de vincular os resultados da cúpula do G7 em Hiroshima à futura cooperação com o G20”.

Por FolhaPress via Jornal de Brasília

Foto: AFP PHOTO / MINISTRY OF FOREIGN AFFAIRS OF JAPAN / Reprodução Jornal de Brasília