Chuvas e período nublado devem durar até o final da semana no DF

A princípio, o alerta era até terça-feira (29), mas a previsão continua até esta quinta (31) e deixa a população atenta para atuar de maneira preventiva

0
46

O Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) emitiu, na última segunda-feira (28), o alerta amarelo que sinaliza risco de chuvas intensas em todo o Distrito Federal. O volume de águas pode chegar a 50 milímetros em 24 horas, com ventos de até 60 km/h.

A princípio, o alerta era até terça-feira (29), mas a previsão continua até esta quinta (31) e deixa a população atenta para atuar de maneira preventiva.

De acordo com o coordenador de Gestão de Riscos de Desastres da Subsecretaria do Sistema de Defesa Civil, Pedro Aníbal, o DF não está, de fato, no período chuvoso e, a partir do fim de semana, o sol e altas temperaturas devem retornar.

Nesse período de chuvas e ventos fortes, há ocorrências de desabamento de forro das casas e quedas de árvores. Para evitar esse transtorno, recomenda-se limpar os telhados, desobstruir as calhas e podar ou cortar árvores com risco de queda. Também é aconselhável reforçar muros e paredes pouco confiáveis, além de estar atento à drenagem dos terrenos.

Para quem anda nas ruas na hora de chuvas intensas, deve-se observar se há bueiros, ralos e esgotos, checando se estão desobstruídos e com grade de proteção adequada para evitar acidentes.

Em caso de chuva forte ou trovões, o ideal é ficar dentro de casa ou procurar um abrigo, desde que não seja uma área de risco, como lugares com proteção contra raios, evitando árvores, postos de gasolina ou locais que possam sofrer com as ações do vento.

“Não se coloque em risco, evite sair nesses momentos de temporal. E não jogar lixo na rua para evitar obstrução das vias. Qualquer emergência, ligar no 193”, diz Aníbal, destacando o número de emergência dos bombeiros.

A tenente-coronel Lorena Athaydes, comandante do Grupamento Especializado de Proteção Civil do Corpo de Bombeiros Militar do Distrito Federal (CBMDF), alerta para lugares com acúmulos de água e possibilidades de enchentes.

“As pessoas não conseguem estimar a força da água. Então, é essencial não atravessar áreas alagadas nas estradas, pontes, viadutos e córregos. Também é importante redobrar o cuidado com as crianças às margens da pista, pelo risco de enxurradas”, ressalta.

É importante prestar atenção em locais com risco de deslizamento e encostas. Os moradores, ao identificar os pontos de risco, devem ficar atentos aos alertas, caso precisem evacuar. “A população, independentemente do período de chuvas, deve ficar atenta e alertar a Defesa Civil e o CBMDF, porque fazemos o monitoramento”, reforça a tenente.

Cuidados no trânsito

Os motoristas que trafegam em carros e motos devem redobrar a atenção no trânsito porque, após uma estiagem de 68 dias, as pistas ficaram mais escorregadias.

Segundo o chefe do Núcleo de Campanha Educativa de Trânsito, Miguel Videl, as condições adversas de tempo aumentam o risco de acidentes de trânsito, como o asfalto molhado, excesso de velocidade e baixa visibilidade.

Entre os principais pontos de atenção, está o cuidado com o veículo, verificando itens importantes de segurança, como o limpador de para-brisa, as luzes de iluminação, faróis de neblina, luz de posição e setas.

Também é importante checar o estado dos pneus. No fundo dos sulcos tem o TWI (Tread Wear Indicator), indicador do desgaste do piso/banda de rodagem. Se o pneu já encostou neles, está na hora de trocá-lo. Isso evita a aquaplanagem, que ocorre quando o carro não está em contato direto com o asfalto e prejudica a frenagem, fazendo o condutor perder o controle do veículo.

Por isso também é importante verificar os freios. “Para uma direção segura, o veículo precisa estar em boas condições, incluindo a calibragem dos pneus, que afeta até no consumo de combustível. É aconselhável que procurem um profissional para fazer uma revisão”, acentua Miguel.

Em relação ao condutor, é importante manter a distância de segurança do veículo da frente e andar na velocidade compatível com o tráfego daquele momento, além de não parar o carro próximo de postes ou árvores.

Em lugares de pouca visibilidade, chuva intensa ou neblina, parar, se possível, em um lugar com segurança e ligar o pisca alerta e as luzes de seta sempre.

Poças de água podem ocultar buracos no asfalto. Ao atravessá-las, é aconselhável manter a aceleração contínua em primeira marcha. Não frear quando cair no buraco, pois o impacto pode estourar o pneu.

É recomendado avisar a administração da cidade, caso haja situações como quedas de árvores e obstrução de vias. Para ficar por dentro dos alertas da cidade, é possível fazer um cadastro por meio do número 40199. O sistema, que funciona por mensagens de texto, avisa quando há qualquer alerta próximo.

*Com informações de Jak Spies, da Agência Brasília

Por Redação do Jornal de Brasília

Foto:  Joel Rodrigues/Agência Brasília / Reprodução Jornal de Brasília