Estudantes de medicina do DF vão ajudar HCB na prevenção do retinoblastoma

Campanha nacional chama a atenção para a importância do diagnóstico precoce da doença ocular; DF terá ação de conscientização no dia 16

0
38

O Hospital da Criança de Brasília José Alencar (HCB) promove, no dia 16 de setembro, atividade de conscientização sobre o retinoblastoma, um tumor maligno intraocular. A equipe do HCB estará no shopping Conjunto Nacional para falar com pais e mães sobre a importância do diagnóstico precoce. A ação integra a campanha De olho nos olhinhos, realizada em todo o país, e chama a atenção para o Dia Nacional de Conscientização e Incentivo ao Diagnóstico Precoce do Retinoblastoma, celebrado no dia 18 de setembro.

Estudantes de medicina do Distrito Federal que vão se unir ao hospital na campanha participaram, nesta sexta-feira (8), de uma aula sobre retinoblastoma organizada pelo HCB e conduzida pela diretora técnica do hospital, Isis Magalhães, e pela oftalmologista do Hospital Regional da Asa Norte (Hran) Manuella Nader.

A diretora técnica do HCB, Isis Magalhães, elogiou o interesse dos estudantes pela campanha e ressaltou a importância de ações voltadas aos profissionais de saúde. “É uma questão de que todos se comprometam em ter esse conhecimento e ficar atentos; é com aquele pediatra da primeira infância que os diagnósticos podem ser os mais precoces possíveis”.

A oftalmologista Manuella Nader explicou aos estudantes o que é o retinoblastoma, as formas clínicas e os tratamentos possíveis, além dos procedimentos que são importantes para diagnosticar a doença. “O exame de fundo de olho, mapeamento de retina, é um bom exame para o diagnóstico de retinoblastoma. Eu, particularmente, acho que ele tem que ser feito no primeiro mês de vida. A chance de descobrir precocemente e começar o tratamento é maior”, disse.

Os estudantes que participaram da aula no HCB fazem parte da Liga de Oncologia Pediátrica do DF, da Liga de Pediatria da Escola Superior de Ciências da Saúde (Escs) e da Liga de Cirurgia Pediátrica da Universidade Católica de Brasília (UCB). No quarto semestre do curso, Maria Cecília Magalhães integra a primeira liga acadêmica e considera a campanha importante para conscientizar o maior número possível de pessoas sobre o retinoblastoma: “Pode parecer algo simples, mas quantas pessoas realmente vão procurar essa informação? É um número bem inferior ao das que podem ser interceptadas no shopping, por exemplo.”

Os pais devem estar atentos para identificar potenciais sintomas: reflexo branco nos olhos – o chamado “olho de gato”, quando a criança é fotografada com flash; estrabismo, se o movimento dos olhos não é simétrico; e redução da visão

A presidente da Associação Brasileira de Assistência às Famílias de Crianças Portadoras de Câncer e Hemopatias (Abrace), Maria Ângela Marina, também compareceu à aula. Na opinião dela, oferecer mais conhecimentos aos estudantes “pode repercutir para o futuro do tratamento do câncer infantil aqui no Distrito Federal e estimular as novas gerações de profissionais a abraçar a pediatria especializada em oncologia”.

Diagnóstico precoce

O retinoblastoma tem maior incidência em crianças menores de 5 anos de idade e é considerado raro – nos últimos 12 meses, o HCB recebeu oito crianças com a doença. Devido à baixa incidência da doença, a campanha é importante para manter a sociedade atenta aos sinais. O ideal é que o diagnóstico seja fechado na fase inicial, quando o tumor ainda está dentro do globo ocular. Quando ele cresce e se infiltra no nervo ótico e no sistema nervoso, o prognóstico é pior e as chances de cura diminuem.

Os pais devem estar atentos para identificar potenciais sintomas: reflexo branco nos olhos – o chamado “olho de gato”, quando a criança é fotografada com flash; estrabismo, se o movimento dos olhos não é simétrico; e redução da visão.

Caso a criança apresente esses sinais, é importante procurar ajuda médica. No Distrito Federal, as crianças são encaminhadas pelo pediatra da atenção primária ou pelo oftalmologista e, uma vez que se tornem pacientes do Hospital da Criança de Brasília, dão início ao tratamento.

Após verificar a extensão da doença e realizar os exames de imagem, os especialistas do HCB discutem cada caso com os dois centros parceiros, ambos em São Paulo: a Associação para Crianças e Adolescentes com Câncer (Tucca), do Hospital Santa Marcelina; e o Grupo de Apoio ao Adolescente e à Criança com Câncer (Graacc).

O plano terapêutico de cada criança é executado tanto no HCB quanto nas instituições parceiras, que contam com serviço oftalmológico especializado em retinoblastoma e quimioterapia intra-arterial. Desse modo, é importante que pediatras e oftalmologistas cumpram o fluxo de atendimento corretamente e não “pulem” o encaminhamento ao Hospital da Criança de Brasília.

SERVIÇO
Ação de conscientização sobre o diagnóstico precoce do retinoblastoma
Data: 16 de setembro (sábado)
Horário: Das 12h às 17h
Local: Shopping Conjunto Nacional (Entrada C; varanda externa).

*Com informações do HCB

Por Agência Brasília

Foto: Divulgação/HCB / Reprodução Agência Brasília