Janeiro Roxo promove conscientização sobre a hanseníase

Com 165 casos identificados no DF em 2023, doença ainda é alvo de preconceito e desinformação; DF ampliou a capacidade de atendimento na rede pública

0
8

Com tempo de incubação de até 20 anos e capaz de causar sérias lesões incapacitantes, a hanseníase é a doença no foco da campanha do Janeiro Roxo. O objetivo é conscientizar sobre os sintomas e a importância do tratamento, além de combater a desinformação e o preconceito. Na capital, o Governo do Distrito Federal (GDF), por meio da Secretaria de Saúde (SES-DF), ampliou a capacidade de atendimento, possibilitando diagnóstico e cuidado precoces. Em 2023, foram 165 casos confirmados.

“Essa é uma doença que as pessoas conhecem pouco. Elas podem estar contaminadas sem saber”, afirma a coordenadora de Atenção Primária da SES-DF, Sandra França. A partir deste Janeiro Roxo, as equipes da Saúde da Família (eSF) expandiram o monitoramento da hanseníase até nas visitas domiciliares. “Procuramos levar uma abordagem inicial por meio dos Agentes Comunitários de Saúde [ACS], que podem fazer a primeira observação dos sinais sugestivos da doença e o encaminhamento à Unidade Básica de Saúde [UBS]”, completa a coordenadora.

Como o DF é uma região com baixa ocorrência da hanseníase, apresentando taxa de 0,8 casos para cada 10 mil habitantes, o desafio de gestores é manter os profissionais da linha de frente capacitados a identificá-la corretamente. No ano passado, a “Carreta da Hanseníase”, um consultório itinerante para diagnóstico, percorreu diversas regiões administrativas (RAs) e realizou 770 atendimentos, sendo identificados 14 casos positivos. O principal resultado, porém, foi o treinamento das eSF.

Causada pela bactéria Mycobacterium leprae, a hanseníase tem tratamento garantido na rede pública, onde as 176 UBSs servem como portas de entrada. O tratamento dura de 6 a 12 meses, dependendo do diagnóstico. Em caso de gravidade, existe o apoio especializado nas policlínicas e hospitais da rede.

O preconceito, porém, prejudica a busca por ajuda. “Infelizmente, o imaginário social ainda perpetua conceitos errados sobre a doença, como a ideia de que o contato físico de uma pessoa com hanseníase irá transmitir a bactéria, o que não é verdade. O convívio social é um direito da pessoa com hanseníase e um dever de toda a sociedade”, lembra o enfermeiro Douglas Aquino, da equipe técnica da Subsecretaria de Vigilância à Saúde da SES-DF.

*Com informações da Secretaria de Saúde do Distrito Federal (SES-DF)

Por Agência Brasília

Foto: Agência Saúde-DF / Reprodução Agência Brasília