Projeto social no Paranoá recebe doação de alimentos de campanha solidária

Mantimentos foram arrecadados em partida de futebol e destinados à Campanha Solidariedade Salva, promovida pela Chefia-Executiva de Políticas Sociais

0
29

Três toneladas de alimentos não perecíveis foram doados ao Colégio Mão Amiga Dom Pedro II, uma instituição de cunho social localizada no Paranoá, nesta segunda-feira (5). Os mantimentos foram arrecadados pela Campanha Solidariedade Salva em parceria com a Arena BRB Mané Garrincha, no jogo entre os times Vasco e Bangu.

Essa foi mais uma ação da campanha solidária idealizada pela primeira-dama do Distrito Federal, Mayara Noronha Rocha, por meio da Chefia-Executiva de Políticas Sociais. Em 2023, o número de doações angariadas ultrapassou a marca de 86 toneladas. As doações ocorreram por meio de parcerias com o empresariado local e a adesão de eventos à meia-entrada solidária.

“Esse ano esperamos ampliar as atividades da Solidariedade Salva para poder continuar colaborando de forma imediata com a população mais vulnerável do Distrito Federal. É uma campanha que aproxima o empresariado das ações sociais da nossa cidade”, defende a primeira-dama. O Colégio Mão Amiga João Paulo II atende crianças e adolescentes em situação de vulnerabilidade social no Paranoá desde 2018.

A chefe-executiva de Políticas Sociais, Talita Matosinhos, destaca que as doações envolvem diversos agentes com um objetivo em comum – garantir segurança alimentar ao público atendido. “Não é uma logística simples de ser executada, são muitos órgãos e parceiros envolvidos nas nossas ações de recolhimento e distribuição dos alimentos. Mas é muito satisfatório saber que estamos conseguindo levar esses alimentos a quem realmente precisa”, pontua.

Em janeiro, a Campanha Solidariedade Salva entregou cerca de 1 tonelada de alimentos não perecíveis para instituições sociais do Cruzeiro, em parceria com a administração regional. As três ONGs beneficiadas foram o Instituto Compartilhar, a Missão de Amor e a Abraci, que atende crianças autistas e suas famílias no contexto domiciliar.

Por Catarina Loiola da Agência Brasília

Foto: Divulgação / Reprodução Agência Brasília