UBS do DF oferecem 17 tipos de práticas integrativas

O serviço que aborda a saúde de forma dimensional, trabalhando mente e corpo, é ofertado em 87 UBSs

0
128

Transversalmente à promoção de saúde convencional, as unidades básicas de saúde (UBS) do Distrito Federal oferecem tratamentos complementares que proporcionam o bem-estar do corpo e da mente. São as Práticas Integrativas em Saúde (PIS), atividades acolhedoras, terapêuticas, corporais e, em sua maioria, coletivas.

“Uma característica muito forte das práticas integrativas é o atendimento coletivo, como os bate-papos e os grupos de atividades corporais, que trabalham mente e corpo” Cristian da Cruz Silva, gerente de Práticas Integrativas em Saúde

O DF conta com 17 tipos de práticas disponíveis gratuitamente para a comunidade e servidores da Secretaria de Saúde em 87 UBSs. São elas: acupuntura, arteterapia, auriculoterapia, automassagem, homeopatia, fitoterapia (plantas medicinais), yoga (hatha e laya), Lian Gong em 18 terapias, medicina e terapias antroposóficas, meditação, musicoterapia, reiki, shantala, tai chi chuan, terapia comunitária integrativa (TCI), ayurveda e a técnica de redução de estresse (T.R.E.).

“Uma característica muito forte das práticas integrativas é o atendimento coletivo, como os bate-papos e os grupos de atividades corporais, que trabalham mente e corpo”, afirma o gerente de Práticas Integrativas em Saúde, Cristian da Cruz Silva.

As atividades são ofertadas em modalidade presencial e também online. O atendimento remoto ocorre para cinco atividades: terapia comunitária integrativa, técnica de redução de estresse, yoga, meditação e automassagem. Quem tiver interesse nas atividades pode comparecer até a unidade básica de saúde ou solicitar via e-mail a partir dos contatos disponíveis no site, onde também é possível verificar as práticas de cada UBS.

“No online, o contato é por e-mail. Depois, a pessoa é convidada a fazer uma entrevista e passa pela anamnese, que é uma investigação do quadro geral de saúde, como a pessoa se apresenta no momento, quais são as queixas. Apesar de ser uma prática integrativa, ela propõe um cuidado integral no sentido de promoção de saúde”, explica Silva.

Para os atendimentos presenciais, a recomendação é que o interessado se dirija à unidade mais próxima do local em que vive. “Para a gente, é importante que a pessoa vá até a UBS mesmo que ela não tenha certeza de que ali existe um serviço de prática integrativa. Porque a partir daí a gente passa a considerar o interesse da população nesses serviços”, revela.

Os serviços são fornecidos por profissionais da saúde com habilitação na área da prática integrativa, formação que ocorre por conta própria ou pela formação continuada ofertada pela Secretaria de Saúde.

“Temos usado a auriculoterapia, por exemplo, no tratamento de pacientes com sequelas da covid-19, como perda de memória e dificuldade respiratória. Também temos feito bastante tratamento para ansiedade com a prática”Wendel José dos Santos Araujo, enfermeiro e supervisor da UBS 7 de Santa Maria

Além de prestar o serviço para a população, os servidores são o público das PIS. A inclusão foi uma forma encontrada pelo governo de atender aos profissionais da saúde que foram muito impactados no aspecto mental durante o auge da pandemia de covid-19. “Esses profissionais sofreram com perdas, lutos, contágio e pressão para manter o serviço. Com isso, naturalmente gerou-se uma carga em saúde”, detalha.

Auriculoterapia

Das 17 práticas integrativas oferecidas no Distrito Federal, a auriculoterapia é a mais nova da cartela. O tratamento entrou na lista de atividades da secretaria em 2021. Desde então, já foram registrados 10 mil atendimentos.

Essa é uma terapia individual derivada da acupuntura. O profissional faz pressão em pontos específicos da orelha para tratar e diagnosticar diversos problemas físicos, mentais e emocionais do paciente. É utilizada para tratar qualquer problema de saúde, como doenças, dores, sintomas ou distúrbios psicossomáticos.

A UBS 7 de Santa Maria é uma das unidades em que a prática é oferecida aos pacientes. O local conta com nove profissionais dedicados à auriculoterapia: três enfermeiros, três técnicos de enfermagem, dois agentes comunitários e uma médica.

“Temos usado a auriculoterapia, por exemplo, no tratamento de pacientes com sequelas da covid-19, como perda de memória e dificuldade respiratória. Também temos feito bastante tratamento para ansiedade com a prática”, destaca o enfermeiro e supervisor da UBS 7 de Santa Maria, Wendel José dos Santos Araujo.

Além da auriculoterapia, a UBS 7 conta com outras práticas, como automassagem e TRE, que são oferecidas presencialmente e online – onde há até pacientes das regiões Norte e Sul do Brasil. “Todas as práticas têm uma função social, melhorando o convívio social, e também um estímulo neurofisiológico. Conseguimos dar estímulos ao corpo harmonizando a função fisiológica e neural”, comenta.

Por Agência Brasília

Foto: Breno Esaki/Arquivo Agência Saúde / Reprodução Agência Brasília