As mães que cuidam da área ambiental no DF

Servidoras do Brasília Ambiental relatam contribuição da maternidade na gestão no instituto

0
49

Neste domingo (14), comemora-se o Dia das Mães. Entre as servidoras do Instituto Brasília Ambiental que têm filhos, duas estão à frente de duas áreas estratégicas, e contam que a maternidade ajuda no desempenho de atividades que exijam liderança.

“A maternidade transforma demais a mulher, traz uma consciência, uma maturidade que ajuda em outras áreas da vida”Marcela Versiani, superintendente das Unidades de Conservação, Biodiversidade e Água

Simone de Moura, 50, responde pela Superintendência de Fiscalização, Auditoria e Monitoramento (Sufam), enquanto Marcela Versiani, 39, atua como superintendente de Unidades de Conservação, Biodiversidade e Água. Para elas, a maternidade tem parcela de contribuição na eficiência com a qual executam a política de meio ambiente do instituto.

Acolhimento

“A maternidade transforma demais a mulher, traz uma consciência, uma maturidade que ajuda em outras áreas da vida”, ressalta Marcela, que é mãe de Lívia, 6, e Luana, 3. “Então, naturalmente, essa experiência contribui muito com a minha prática de gestão nas unidades de conservação. As duas vezes que engravidei, fui muito bem-acolhida pelos colegas do Brasília Ambiental. Temos outras mães dentro da equipe, e sabemos que, se uma mãe diz que precisa sair para algum cuidado com os filhos, então ela tem que sair, porque o filho é a coisa mais importante que temos na vida”.

“Outro ensinamento importante da maternidade aplicado à minha vida profissional é ter uma comunicação clara, objetiva e eficaz – explicar o que se quer, aonde se pretende chegar e manter um espaço para ouvir o outro”Simone de Moura, superintendente de Fiscalização, Auditoria e Monitoramento

Mãe de João Vítor, 25, Simone lembra que, entre os vários ensinamentos que a maternidade lhe trouxe, alguns são essenciais para o seu dia a dia profissional: “O gerenciamento do meu tempo, por exemplo, precisa ser bem calculado para conseguir priorizar o que é importante e dar conta da vida multitarefas e saber ser flexível nesse gerenciamento, afinal as mães precisam estar prontas para lidar com imprevistos e mudanças de planos a todo momento, assim como surgem imprevistos e urgências na fiscalização ambiental”.

Empatia

Ser mãe também agrega conhecimentos úteis para para a vida profissional, atenta Simone: “Outro ensinamento importante da maternidade aplicado à minha vida profissional é ter uma comunicação clara, objetiva e eficaz – explicar o que se quer, onde se pretende chegar e manter um espaço para ouvir o outro, seja com os filhos, seja colegas de trabalho ou mesmo com os cidadãos que atendemos na Sufam”.

Marcela acrescenta que a maternidade a ajudou a se identificar com outras pessoas. “Toda vez que se consegue numa relação, principalmente numa relação de trabalho, ter mais empatia, se consegue gerir melhor as pessoas”, afirma. “Isso traz um clima favorável e mais harmônico de convivência, o que contribui, entre outras coisas, para uma produtividade bem maior”.

O presidente do Brasília Ambiental, Rôney Nemer, reforça o posicionamento das servidoras e aproveita para parabenizar as mães que trabalham no instituto. “Mães que nos ajudam a cuidar do meio ambiente, consequentemente, salvam vidas e garantem um mundo melhor para seus filhos e para todos das futuras gerações”, valoriza.
*Com informações do Brasília Ambiental

Por Agência Brasília

Foto: Divulgação/Brasília Ambiental / Reprodução Agência Brasília